© 2016 by FULANO'S PRODUÇÕES ARTÍSTICAS. Todos os direitos reservados!

  • Facebook - Black Circle
  • Instagram - Black Circle
  • YouTube - Black Circle
  • Twitter - Black Circle
REPERTÓRIO

Ao longo desses 10 anos, criamos esse repertório:

2006

2008

2012

2016

"A Bruxinha Que Era Boa"

"O Cavalinho Azul"

"A Menina e o Vento"

"Quem Apagou a Luz?"

"Splash ou A História da Gota Que Sonhava Ser Rio"

"O Inimigo"

     A Bruxinha Que Era Boa traz aos palcos a história de Ângela, que é um fracasso na Escola de Maldades da Floresta. Correndo o risco de ser presa na Torre de Piche, ela conhece Pedrinho, um jovem lenhador que não se assusta com a sua aparência e pode ajudá-la a ganhar a tão sonhada vassoura a jato.
     O espetáculo recebeu 3 estrelas pela avaliação da Revista VEJA São Paulo. Realizou apresentações e 9 temporadas em todo o Estado de São Paulo. Já representou a cidade de São Paulo no 3º Encuentro de La Red Iberoamericana de Artes Escènicas, encontro que reuniu mais 350 artistas de toda a América Latina e Europa, e que se realizou na cidade de Ovalle/Chile em janeiro de 2007 (patrocínio do Ministério da Cultura - Fundo Nacional de Cultura). Em 2012 realizou temporada no SESC Bom Retiro dentro do projeto “O Real Imaginário: O Universo Infantil ​em​ Maria Clara Machado”. Em 2014 participou da Virada Cultural Paulista e do Circuito Cultural Paulista. Em 2016 participou da Virada Cultural da cidade de São Paulo. 

Ficha Técnica
TEXTO: Maria Clara Machado
DIREÇÃO: Rodrigo Palmieri
CENÁRIO: Zé Valdir Albuquerque
FIGURINOS: Nathalia Neme e Thelma Luz
ILUMINAÇÃO: Paulo Oseas e Rodrigo Palmieri
TRILHA SONORA: André Grynwask
ARTE GRÁFICA: Leandro Ivo
FOTOS: Ezyê Moleda e Karina Mendes
PRODUÇÃO: Fulano’s Produções Artísticas

ELENCO: André Dallan, Célia Ramos, Fernanda Oliveira, Filipe Robbe, Leandro Ivo, Thiago Ubaldo e Vivi Gonçalves.    


DURAÇÃO: 55 minutos
CLASSIFICAÇÃO: Livre (Indicado para Crianças a partir de 4 anos)

 

 
 

     “O Cavalinho Azul discute a importância dos sonhos e das perdas na infância. Vicente, personagem central da fábula de Maria Clara Machado, imagina que um velho pangaré é um belo cavalo azul capaz de cantar, dançar e voar. Um dia os pais do menino vendem o cavalo, e imaginando que seu fiel amigo ainda não voltou pra casa porque está passando por muitos perigos em lugares que Vicente ouviu falar, como a serra da Mantiqueira, as capitanias hereditárias, a ilha do Brocoió ou o Ceará, ele decide sair pelo mundo em sua busca.
     
O espetáculo estreou em março de 2008, e desde então realizou mais de 170 apresentações na capital e interior de São Paulo, 8 temporadas e participou do XIV Festival Internacional de Teatro ENTEPACH 2009, que se realizou em Chillán / Chille em janeiro de 2009. Também foi premiado 24 vezes em diversos festivais pelo país, além de receber 3 estrelas na  avaliação da Revista VEJA SP.

Ficha Técnica

TEXTO: Maria Clara Machado
DIREÇÃO: Rodrigo Palmieri
MÚSICOS: Fernanda Oliveira e Michel Faria
CENÁRIO: Rodrigo Palmieri e

Zé Valdir Albuquerque
FIGURINOS: Nathalia Neme e Thelma Luz
ILUMINAÇÃO: Paulo Oseas e

Rodrigo Palmieri
ARTE GRÁFICA: Leandro Ivo
FOTOS: Eduardo Mello e Ezyê Moleda
PRODUÇÃO: Fulano’s Produções Artísticas

ELENCO: Célia Ramos, Fernanda Oliveira, Leandro Ivo, Rodrigo Palmieri, Thelma Luz, Thiago Ubaldo e Vivi Gonçalves.


DURAÇÃO: 60 minutos
CLASSIFICAÇÃO: Livre (Indicado para Crianças a partir de 4 anos)

 

     A Menina e o Vento usa uma intensa relação de amizade para falar da liberdade da criança, utilizando o vento como sua metáfora mais marcante.

     Maria resolve se aventurar na cacunda do Vento, fugindo de uma vida rigorosa e chata. Enquanto suas tias, seu irmão e uma atrapalhada dupla policial tentam desvendar o mistério de seu sumiço, Maria conhece um novo mundo cheio de encantos e desafios, e terá de escolher entre voltar pra casa ou se tornar brisa do mar. 

     Parte integrante da primeira fase da pesquisa da Cia, intitulada “O Real Imaginário: O Universo Infantil em Maria Clara Machado”, este espetáculo foi muito elogiado pelas principais mídias especializadas, como a Revista Veja São Paulo e a Revista Crescer (Dib Carneiro Neto). Contando com uma mistura de linguagens que potencializam a poesia imaginada pela autora, a encenação trás aos palcos a questão da liberdade e do amadurecimento da criança envolto a danças, imagens e brincadeiras sonoras. 

Ficha Técnica

TEXTO: Maria Clara Machado
ENCENAÇÃO: República Ativa de Teatro
CENÁRIO e ILUMINAÇÃO: Rodrigo Palmieri
FIGURINOS: Nathalia Neme e Thelma Luz
VÍDEOS e ANIMAÇÕES: André Heib
COREOGRAFIAS: Nathalia Neme
ARTE GRÁFICA: Leandro Ivo

FOTOS: Ezyê Moleda

VÍDEO: JC Vídeo

PRODUÇÃO: Fulano’s Produções Artísticas

PRODUÇÃO EXECUTIVA: Fernanda Oliveira e Vivi Gonçalves

ELENCO: Célia Ramos, Fernanda Oliveira, Thelma Luz, Thiago Ubaldo e Vivi Gonçalves.


DURAÇÃO: 60 minutos
CLASSIFICAÇÃO: Livre (Indicado para crianças a partir de 4 anos)

    Uma inusitada amizade entre um menino e uma barata, monstros que cantam e dançam, brincadeiras no armário, uma música maluca, um consultório esquisito e um relógio que não para. Podem ser somente histórias separadas ou serem partes de uma mesma história, mas todas elas falam de uma única coisa: o medo.  É assim que o espetáculo “Quem Apagou a Luz?” propõe um diálogo criativo e inovador com as crianças da chamada “geração google”. 
    Eleita pelo voto popular a Melhor Estréia de Espetáculo Infantil de 2012 no Guia da Folha de São Paulo, a montagem “ousada” (adjetivo definido por Dib Carneiro Neto em sua coluna na Revista Crescer) estreou em Setembro de 2012 e desde então já soma 23 apresentações, com duas temporadas e apresentações no interior paulista. O espetáculo foi patrocinado pela Eletrobras Furnas, via Lei de Incentivo a Cultura do Ministério da Cultura.

 

Ficha Técnica

ARGUMENTO e ENCENAÇÃO: Rodrigo Palmieri
DRAMATURGIA: William Costa Lima
ORIENTAÇÃO TEÓRICA e 

ILUMINAÇÃO: Daniel Gonzalez
DIREÇÃO DE VIDEO e ANIMAÇÕES:
Pri Argoud
DIREÇÃO MUSICAL, SOUND DESIGNER, LIVE-DJ e PREPARAÇÃO VOCAL:
André Grynwask
CENÁRIO: Zé Valdir Albuquerque
FIGURINOS: Nathalia Neme e Thelma Luz
CABEÇAS DOS MONSTROS:
Helô Cardoso, Caio Sanfelice, Marcos Laporter, Verônica Ribeiro
PREPARAÇÃO CORPORAL: Katia Daher
PREPARAÇÃO DE CLOWN: Letícia Perroud
COREOGRAFIA DE DANÇA

CONTEMPORÂNEA: Karina Moraes
COREOGRAFIA DE SAPATEADO: Nathalia Neme
ARTE GRÁFICA: Leandro Ivo
FOTOS: Ezyê Moleda
PRODUÇÃO: Fulano’s Produções Artísticas

ELENCO: Fernanda Oliveira, Karina Moraes,

Leandro Ivo, Rodrigo Palmieri

DURAÇÃO: 45 Minutos
CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA: Livre (Indicado para maiores de 7 Anos)

 
 

    Um aparelho de video-game está em pane. Seus componentes, por algum motivo desconhecido, não funcionam mais como programado. Isso nunca havia acontecido. A pane foi tão grande que esses componentes ganham vida e resolvem descobrir o que aconteceu. Nessa busca, eles se deparam com o jogo que eles mesmos operavam. Trata-se do jogo Splash, cujo objetivo é ajudar uma Gota a encontrar outras iguais a ela para formarem um rio. Então eles resolvem ajudar esse ser virtual a cumprir seu objetivo para que tudo volte ao normal. 
    
    A montagem foi resultado do Projeto A Parte Que Falta, contemplado pelo Prêmio Zé Renato da Prefeitura de São Paulo, no qual realizou 21 apresentações em CEUs da cidade e também uma temporada no Centro Cultural São Paulo, em Janeiro e Fevereiro de 2016. O projeto também contemplou um Ciclo de Debates sobre a Criança e a Tecnologia.

Ficha Técnica

DIREÇÃO: Rodrigo Palmieri
DRAMATURGIA: Vivi Gonçalves
DIREÇÃO DE VÍDEO, JOGOS e 

ANIMAÇÕES: Pri Argoud
DIREÇÃO MUSICAL, TRILHA SONORA e 

SOUND DESIGNER: André Grynwask
LETRAS DAS MÚSICAS: Vivi Gonçalves 
ILUMINAÇÃO: Rodrigo Palmieri
CENÁRIO: Leandro Ivo
FIGURINO: Thelma Luz
MAQUIAGEM E CARACTERIZAÇÃO: O Grupo 
ARTE GRÁFICA: Leandro Ivo

FOTOS: Cacá Bernardes

VÍDEO: Bruta Flor Filmes
PRODUÇÃO: Fulano’s Produções Artísticas
ELENCO: Fernanda Oliveira, Leandro Ivo,

Thelma Luz, Thiago Ubaldo e Vivi Gonçalves

DURAÇÃO: 45 minutos
CLASSIFICAÇÃO: Livre (Indicado para

maiores de 6 anos)

    O Inimigo traz à cena o universo da guerra de maneira inusitada e divertida. Em meio a uma guerra, em algum lugar que poderia ser um deserto, há dois buracos. Nos buracos, dois soldados. Eles são inimigos. Sem poderem sair do lugar, eles são obrigados a conviver com o perigo, que está ao lado. Mas será que ele é tão perigoso assim? Será que tudo aquilo que contaram é verdade? De maneira lúdica e divertida, esses soldados vão se surpreender com o que está do outro lado do front.
    O Espetáculo realizou sua temporada de estreia no Centro Cultural São Paulo, e foi contemplado pelo Edital do ProAC 2016 (Programa Ação Cultural - Secretaria de Estado da Cultura - Governo do Estado de São Paulo). Este é o sexto espetáculo de repertório da Republica Ativa de Teatro, que em 2016 completa 10 anos de estrada, buscando sempre trazer questões pertinentes ao Universo Infantil.

Ficha Técnica

DRAMATURGIA: Leandro Ivo, Val Pires e

Vivi Gonçalves

DIREÇÃO: Val Pires

TRILHA SONORA: André Grynwask

ILUMINAÇÃO: Rodrigo Palmieri

CENÁRIO, FIGURINO e ADEREÇOS: Helô Cardoso e Leandro Ivo

ASSISTENTE DE CENÁRIO, FIGURINOS e ADEREÇOS: Gabriela Fuziyama

COSTUREIRA: Rosimeire Santos Souza

FOTOS: Fernanda Oliveira e Cacá Bernardes

VÍDEO: Bruta Flor Filmes

PRODUÇÃO: Fulano’s Produções Artísticas

ELENCO: Leandro Ivo e Thiago Ubaldo


DURAÇÃO: 47 minutos
CLASSIFICAÇÃO: Livre (Indicado para

maiores de 6 anos)