CONTATOS:

 +55 (11) 98260-1429 com Rodrigo Palmieri / + 55 (11) 96660-1552 / contato@republicaativa.com.br

Rua Capitão Sérvio Rodrigues Caldas, 325 - Vila Dom Pedro II - São Paulo/SP - CEP 02244-040

© 2016 by FULANO'S PRODUÇÕES ARTÍSTICAS. Todos os direitos reservados!

  • Facebook - Black Circle
  • Instagram - Black Circle
  • YouTube - Black Circle
  • Twitter - Black Circle

Com a tripa em sossego qualquer um tem ideia. Discutir, por exemplo, se existe uma relação direta entre os olhos e os sentimentos, ou se o sentido da responsabilidade é a consequência natural de uma boa visão. Mas quando a aflição aperta, quando o corpo se nos desmanda de dor e angústia, então é que se vê o animalzinho que somos”.

José Saramago

 

Sonhar em Tempos de Guerra?

Contemplado pela 32ª Edição da Lei de Fomento ao Teatro para a cidade de São Paulo, a República Ativa de Teatro desenvolve o projeto “Sonhos em Tempos de Guerra” desde setembro/2018. Com cerca de 130 atividades públicas e gratuitas, a Cia se mantém firme em seu propósito de pesquisa com os resultados abertos ao público por meio da Mostra de mesmo nome do projeto, além de diversos debates sobre a criança contemporânea e os meios de produção, bem como as diferentes linguagens cênicas que muitos artistas pesquisam para que, assim, o teatro para crianças se fortaleça e inove cada vez mais.

Além disso, com este projeto a Cia pôde abrir sua Sede, localizada na zona norte da cidade de São Paulo, no bairro da Vila D. Pedro II.

A ideia deste projeto surgiu em 2015, durante a montagem do espetáculo “O Inimigo”. A peça, baseada no livro homônimo de Davide Cali, conta a história de dois soldados em lados opostos do front, que nunca conversam, e se odeiam sem se conhecer – seguindo as instruções do manual de guerra. No enredo, eles começam a se questionar sobre os motivos que os levaram aquela situação. Utilizando a linguagem clownesca, a montagem ressalta o ridículo da situação e proporciona grande reflexão nos pequenos expectadores, que acompanham cada ação na expectativa de uma solução que, aos olhos do público, é simples, mas, para esses soldados, é quase inimaginável. As temáticas da guerra e suas incoerências trouxeram ainda mais questões e anseios, que reverberam com o cotidiano cada vez mais intransigente de nossos dias.

Não se pode negar que vivemos em tempos de grande polarização. Todos os dias nossas mentes são inundadas com relatos de guerras, conflitos e atrocidades, que ocorrem em lugares distantes e também bem próximos. Ideais, riquezas e justiças são aclamadas como justificativas para invasões, destruição e inúmeras mortes. Religião, sexualidade, raça, política, filosofia, entre outros assuntos expõem nossa inabilidade de diálogo, muitas vezes anulando a possibilidade de um debate saudável em prol do bem comum... Diferenças que poderiam ser resolvidas em uma simples conversa se tornam inimagináveis, promovendo ódio, intolerância e revolta entre vizinhos, amigos, desconhecidos, inocentes.

Nesse projeto queremos debater poeticamente sobre esses temas. Debater é trocar argumentos, discutir ideias. A partir de um debate rico, em que os dois lados têm liberdade para colocarem suas opiniões livremente, quem assiste ou participa poderá construir o seu ponto de vista com base no que lhe pareceu mais verossímil.  Ocorre que atualmente não vemos mais debates honestos, pautados na intenção de conhecer a ideia do outro e concordar (ou não) com ela depois de conhecê-la. As pessoas se encastelaram em verdades prontas, e quem discorda delas está contra quem as defende. Essa intolerância que se vê entre adultos também reflete entre as crianças e adolescentes, com conseqüências igualmente grandes para eles e para a sociedade.

A partir dessas ideias, e levando em conta toda a experiência de doze anos de trabalhos ininterruptos, o projeto pretende se desdobrar na busca de verticalizar tanto a reflexão dos temas quanto das estéticas. É fundamental que a arte ajude a fomentar uma discussão honesta, deixando para o expectador as percepções e possíveis decisões. Por isso, queremos nos abrir ao novo, ao diferente, permitindo que outros artistas apresentem e/ou interfiram no nosso trabalho – assim, reconhecemos que há outras possibilidades e todas elas podem ser boas e apontar novos caminhos, novas perspectivas. 

O projeto envolverá, diretamente, cerca de cinquenta profissionais de diversas áreas, aprofundamento de estudos, experimentos, ações de formação, criação, produção, desenvolvimento da pesquisa estética da Cia e compartilhamento de ideias com (e para) a cidade e seus cidadãos.

Acompanhe aqui e em nossas redes sociais todas as atividades do projeto.